quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Voto obrigatório na democracia?

Hoje recebi uma "pergunta que não quer calar: por que no Brasil o voto é obrigatório, se estamos numa democracia? Pois, nos Estados Unidos ninguém é obrigado a votar!"

Realmente há uma falha nesta tal democracia brasileira: o voto deixa de ser um direito e se torna um dever, sem qualquer contrapartida.

Entretanto, vale observar que nos Estados Unidos e em outras democracias ditas de primeiro mundo, o voto não é obrigatório, mas a sociedade é educada. E mais que isso: ela é principalmente provida das condições básicas para viver, não apenas para sobreviver. Então, as pessoas usam o voto apenas como instrumento político para viver melhor, sob a garantia de outros direitos. Por isso, quem já está bem e não vê perspectiva de mudança, pode abrir mão do seu direito de votar.

Isso, porém, não acontece no Brasil. Além da grande maioria da nossa sociedade ainda precisar do básico para sobreviver, como bolsa-família, por exemplo, evidentemente por isso, ela não é educada para escolher e decidir o seu voto por interesses sociais e não apenas por interesses pessoais.
Ora, se as pessoas sendo obrigadas a votar vendem seu voto por qualquer emprego, cesta básica, saco de cimento, óculos, consulta médica ou dentadura, imagine se elas não fossem obrigadas, apesar de toda carência econômica e social! 
Pois, sem a obrigatoriedade, certamente seria mais fácil o comprador descobrir quem lhe vendeu o voto e se absteve ou até não votou nele. Pois, seria fácil contar os votos esperados.

E o pior: se na nossa sociedade brasileira ainda há milhares de pessoas que carecem de ajuda do governo para sobreviver, é certamente porque a tal sociedade brasileira ainda não é educada para eleger governantes e parlamentares que cuidem melhor da Educação da nossa sociedade local, estadual e nacional. Pois, como tirar da miséria esse povo, sem a devida educação para a produção social?

O bolsa-família, infelizmente, apenas ajudou na sobrevivência de alguns, pelo que movimentou a economia, propiciando a outros o consumo.
Porque, pobre e mal educado se pega em dinheiro é pra gastar. Quando pensa em trabalhar é visando apenas poder consumir. Jamais pensa em produzir, para ser socialmente útil. Mas de consumidores é o que precisa o capitalismo. Contraditoriamente, porém, os capitalistas negam as condições para que todos possam consumir, até quando a ajuda ao consumo é dada pelo governo. Não percebem que o dinheiro público bem distribuído retorna em benefício para eles também.
Pergunte a qualquer pessoa o que ela faria se ganhasse alguns milhões em prêmio. A resposta mais comum é: COMPRAR... mas isto gera inflação e inveja. Ou seja, ninguém pensa em CONSTRUIR, o que gera produção, emprego, desenvolvimento, utilidade, bem-estar etc.

A mentalidade do consumo, portanto, precisa ser substituída pela da produção. 
Mas isso só pode ocorrer através da Educação. 
Se mudarmos a mentalidade na nossa Educação, então estaremos preparando gente para tirar o povo da miséria econômica. E assim tiraremos da miséria política a nossa sociedade, pois não separo povo e sociedade.
Livre da miséria, então nossa sociedade deverá lutar pelo voto como um direito democrático, e não como uma obrigação, pela qual quem pode pagar não se obriga.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget